Rua Refinaria Mataripe, 428 – Vila Antonieta – São Paulo – SP

(11) 2253-7690

Associação dos Consultores Assessores e Articuladores Politicos do Estado de São Paulo

Sem assessor político não existe parlamentar!

Raio X: Eleições 2012 e 2016

Postado em 12 de dezembro de 2016

O que aconteceu de novo pós manifesto por mais representatividade política das mulheres!

Tenho participado de um grupo de mulheres que tem o objetivo de discutir temas ligados ao Brasil, e este grupo é composto por mulheres líderes de vários segmentos que têm em comum o objetivo à construção de um Brasil melhor. Através do comitê de políticas públicas e privadas foi possível promover o exercício pleno da cidadania da mulher. Este comitê acompanhou as candidatas a vereadora do estado de SP e através deste acompanhamento foi possível obter informações muito importantes a respeito do engajamento da mulher na política.

image2

Foto: Fabia Daniele

Haja visto que, nós mulheres somos, 52,3% da população brasileira de eleitoras.
Mesmo em um ano onde as discussões sobre a violência contra a mulher e a igualdade de gêneros ganharam grande projeção na mídia, não foram capazes de mudar os resultados da representatividade feminina na política brasileira. Comparando com a última eleição de 2012, os números da eleição do domingo 02/10/2016, aponta que as mulheres perderam a representatividade entre os políticos eleitos.
Em 2012, foram eleitas 663 mulheres para administrar cidades; este ano tivemos 639 prefeitas eleitas no primeiro turno. A representatividade feminina para o cargo executivo foi praticamente a mesma nas duas eleições. Em 2012 foram 2.032 candidatas a prefeita e neste ano tivemos 2.039 candidatas.
A falta de recursos, dinheiro, apoio político e tempo na TV é um dos principais motivos, além da falta de apoio dos próprios familiares.

Segundo o jornal Folha de S.Paulo, nas capitais, oito prefeitos foram eleitos no primeiro turno. Entre eles, apenas uma mulher. A maior cidade que será governada por uma mulher é Pelotas (RS), onde a candidata foi eleita com 60% dos votos. Mesmo no melhor cenário em que todas que estão disputando o segundo turno vençam, ainda assim o número de prefeitas chegará no Máximo a 648, uma redução de 2% em relação a 2012.

Curiosidade – Mulheres na política no Mundo

Arábia Saudita = 19,5%
México = 50,0%
Brasil = 9,8%
Ruanda = 56,3%
Argentina = 36,0%

O Mais interessante é que em 2012, dos 29 partidos políticos apenas 350 candidatas estavam concorrendo para as 55 vagas como vereadoras; 28 partidos atingiram a cota de 30% destinadas para as mulheres; apenas um partido não atingiu a cota de 30% destinada às mulheres como ordena a Lei n 12.034/2009 que dispõe que cada partido ou coligação preencherá o mínimo de 30% e o Maximo de 70% para candidaturas de cada sexo.

Em 2012, foram 6 candidatas eleitas para o cargo de vereadora em São Paulo. Neste ano foram eleitas 11 candidatas, quase que dobra o número de vereadoras, mas ainda este número representa 20% dos postos. Há ainda muitos problemas enfrentados pelas candidatas mulheres, a verba destinada às candidatas é menor que as verbas destinadas aos candidatos homens. Há uma outra peculiaridade: os partidos estão preenchendo quotas apenas, muitas mulheres não sabem nem que são candidatas. Isto foi fácil verificar pois na eleição de 2012 houve 13 candidatas com zero votos.

Do meu ponto de vista, as mulheres precisam estar mais comprometidas e engajadas com a política, para que tenham êxito. A politização é fundamental para ambos os gêneros. Candidatos homens e mulheres precisam estar informados e cientes dos problemas sociais e econômicos da sua cidade.

Autora: Fabia Daniele

Compartilhar

Leia Também